Estacionar com a roda virada danifica a suspensão?

Encontrar uma vaga já não é tarefa fácil. E, depois que a gente finalmente estaciona, quer sair rápido para seguir com os compromissos do dia. Apesar da pressa, não faltam motoristas que dedicam segundos para acertar as rodas e deixá-las paralelas ao carro. Capricho? Que nada! O movimento é friamente calculado. Afinal, o receio é que deixar volante e rodas esterçados possa danificar componentes da suspensão e do sistema de direção.

Mas não é bem assim. Os carros são preparados para esforços maiores ainda na fase de desenvolvimento. Durante os testes, inclusive de velocidade, os veículos são submetidos a cargas muito superiores a essa, do automóvel parado. Passar por buracos com o volante esterçado é mais danoso para os itens da suspensão do que uma “estacionada dessa”.

Ao parar o veículo com a roda bastante esterçada, pode haver pequena diferença de forças que atuam na suspensão devido à influência do ângulo de cáster. Por esse motivo, pode ser possível notar leve inclinação para um dos lados. Mas isso não traz prejuízo para os componentes.

Mover a direção com o automóvel parado pode ser mais danoso ao veículo. A manobra acarreta grandes esforços no sistema de direção. Se o condutor esterçar o volante e ouvir um “gemido”, será sinal de sobrecarga no sistema hidráulico.

Quanto ao pneu, este só sofre se ficar apoiado muito tempo no meio-fio.

Assim, ressalvadas as observações acima mencionadas, pode parar com a roda esterçada, que não trará qualquer prejuízo ao veículo.

  Top 10: Os carros mais feios da história